MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 14 de abril de 2024    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Palácio Nacional da Ajuda
N.º de Inventário:
68
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Têxteis
Denominação:
Tapeçaria Triunfo de Minerva/ Série Triunfo dos Deuses
Título:
Triunfo de Minerva
Autores:
Leyniers, Urbanus
Orley, Jan Van
Coppens, Augustin
Local de Execução:
Países Baixos, Bruxelas
Oficina / Fabricante:
Oficina de Urbanus Leyniers
Datação:
1728 d.C. - 1729 d.C.
Matéria:
Lã e seda
Técnica:
Tapeçaria de liço
Dimensões (cm):
altura: 416,5; largura: 386,5;
Descrição:
Deusa guerreira, Minerva é também a deusa da pacificação, da prudência e da sapiência. A tapeçaria evoca Minerva como divindade protectora da paz e das artes. Minerva, com o casco emplumado, ostenta na mão direita um ramo de oliveira e tem sob um dos pés um escudo de guerra. À sua direita estão depostos (e destruídos) outros artefactos de guerra. Um cupido quebra uma lança, outro arremete uma tocha acesa a estes objectos bélicos, um tipo de simbologia que não é obviamente inédita e que pode ter um dos seus precedentes na alegoria à Paz de Cesare Ripa. A dicotomia guerra/paz é, aliás, particularmente evidente observando a composição completa pintada por Van Orley, que integra figuras inexistentes nas tapeçarias: além do já mencionado cupido, inclui o deus Marte amarrado a uma rocha, tendo sobre a cabeça a égide com a cabeça de medusa. No lado contrário, em primeiro plano, as personificações das artes rendem homenagem à deusa. Defendendo a paz, Minerva proporciona a abundância, aqui simbolizada pelo ouro vertido da cornucópia. Em torno das figuras centrais, numa nuvem sobre as suas cabeças, uma figura alada com duas trombetas, a Fama. A tapeçaria foi dividida em duas partes, tendo sido o fragmento de menores dimensões (inventariado com o número 70) utilizado como entre-janelas na mesma sala, a Sala do Reposteiro do Palácio Nacional da Ajuda. No fragmento da tapeçaria colocado entre as duas janelas está representada a alegoria à Escultura. É personificada por uma mulher que apoia o braço esquerdo num busto esculpido em pedra, tendo nas mãos a massa e o escopro. Nesta alegoria é visível a referência a Cesare Ripa, que descreve a escultura como uma mulher jovem que apoia a mão direita na cabeça de uma estátua de pedra e tem na outra os instrumentos para o exercício da sua arte. Neste fragmento figuram ainda uma escultura de grandes dimensões e um relógio com a figura de Saturno. Como pano de fundo estão ilustradas algumas actividades que florescem em tempo de paz, como a agricultura e o comércio. Cercaduras e orlas: As cercaduras imitam molduras em madeira entalhada. Reproduzem motivos florais enquadrados por folhagens e são rematadas, nos quatro cantos, por ornamentos em forma de concha e ramos de flores. São contornadas por uma orla castanha.
Incorporação:
Transferência - Casa Real
Origem / Historial:
A armação "Triunfo dos Deuses", tecida na oficina de Urbanus Leyniers e destinada ao rei D. João V, era constiruída por seis tapeçarias. Destas, só restam quatro. A aquisição da série, que chegou a Lisboa em 1729, foi intermediada pelo embaixador D. Luís da Cunha. Sobre este assunto veja-se "Tapeçarias da Casa Real ..." (campo Bibliografia). A 1ª edição desta armação, tecida em 1717, destinava-se a uma sala do Colégio jurídico de Oudburg. A série actualmente no PNA deverá ter sido colocada na Sala do Reposteiro cerca de 1862, quando o Paço da Ajuda foi redecorado para receber o rei D. Luís e a rainha D. Maria Pia.
Marcas e Inscrições

Tipo

Descrição

Imagem

Inscrição

Inscrição no forro: "Nº 56 COM. F | ALT. 18 . P.L e ½"

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica