MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 14 de abril de 2024    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
14709
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Escultura
Denominação:
Estatueta de Vénus
Datação:
II d.C. - Época Romana
Matéria:
Mármore branco
Dimensões (cm):
altura: 9,9; largura: 7,4; espessura: 4,1;
Descrição:
Fragmento de uma estatueta de Vénus, reproduzindo o modelo helénico da Afrodite de Cnidos (do século IV a.C.), correspondente à representação do ventre e coxas de uma figura feminina que segura à frente um manto enrolado, no pulso esquerdo que nas costas cobre parcialmente as nádegas e cai lateralmente junto da coxa direita. Tapa com a mão esquerda a pubis. A fractura do tronco foi praticada superiormente ao umbigo, a perna esquerda foi cortada por baixo e a direita por cima dos joelhos repectivos. Pelo seu estilo, este exemplar insere-se no numerosíssimo grupo das Vénus que, imitando as peças gregas e helenísticas do século IV e III a.C., os copistas romanos reproduziram, de modo a satisfazer o gosto pela cultura e arte gregas, por parte de uma elite local.
Incorporação:
Outro - Mandato legal. Despacho Ministerial.
Proveniência:
Torre d'Ares.
Origem / Historial:
O topónimo Torre d'Ares reporta-se à época medieval. Era o nome de uma das seis torres de construção árabe existentes no litoral algarvio. No entanto o local revelou vestígios de ocupações muito mais antigas. Em 1866 Estácio da Veiga baseado na descoberta de inscrições e de outros achados provou (Povos Balsenses) ser esta estação, e a contígua Quinta das Antas, a sede de Balsa, cidade romana de origem pré-romana nomeada e situada pelos geografos Pompónio Mela, Plínio e Ptolomeu. Em 1877, no decorrer da elaboração da Carta Arqueológica do Algarve, Estácio da Veiga procedeu a escavações arqueológicas onde descobriu uma grande necrópole de incineração e de inumação dos sécs. I e II d.C. Recolheu um conjunto significativo de materiais. Estes objectos fizeram parte do Museu Arqueológico do Algarve, e em 1894 foram integrados no actual Museu Nacional de Arqueologia, por decreto de 20 de Dezembro de 1893 do Ministro Bernardino Machado, conforme "O Arqueólogo Português, série 1, vol. VII, 1903. Outra parte da colecção de Estácio da Veiga foi comprada pelo Estado à família e incorporada igualmente no Museu Nacional de Arqueologia.

Tipo

Descrição

Imagem

imagem

Imagem

Número de inventário: 12068 Autor: José Pessoa Localização: DDF

imagem

imagem

Imagem

Número de inventário: 12068.1 Autor: José Pessoa Localização: DDF

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica