MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 14 de dezembro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Museu Dr. Joaquim Manso
Denominação:
Silva, Abílio Mattos e
Tipo:
Autor
Nascimento:
Sardoal, 1 Abril 1908
Actividade(s):
Pintor, cenógrafo e figurinista
Óbito:
Maio 1985
Biografia:
Abílio Leal de Mattos e Silva nasceu no Sardoal em 1 de Abril de 1908. Após o curso dos liceus em Coimbra e de ter iniciado Direito na Universidade de Lisboa, abandona os estudos e ingressa na função pública. É colocado na Nazaré entre 1931 e 1936. Nesta fase, a sua pintura começa a manifestar-se de forma assídua, ao que não foi estranho o convívio com artistas nacionais e estrangeiros que se deslocavam a esta vila piscatória. Nazaré terá sido o princípio, Óbidos a continuação, a sua terra adoptiva. Com efeito, a sua actividade artística prolonga-se no velho burgo, onde tinha sido criado e mantinha residência. Em Lisboa, onde passa a residir em 1936, com a peça "Tá-Mar" Abílio inicia uma longa carreira de cenógrafo e figurinista no domínio do bailado, da ópera e do teatro. De 1941 a 1951 foi Assistente da FNAT e, como grafista, executou numerosos trabalhos para publicações e organismos do Estado. No Ministério da Economia desenvolve intensa actividade como ilustrador e designer, tendo, nesta qualidade, sido condecorado pela acção desenvolvida em exposições organizadas no estrangeiro. É, cumulativamente, director de cena do Teatro S. Carlos, onde levou a efeito algumas das suas mais importantes realizações cénicas. Participou em diversas exposições colectivas e colaborou na revista "Presença", entre outras. A sua passagem pela Nazaré e a particularidade da cultura local impressionaram o autor e inspiraram grande parte da sua obra, evidenciando-se um estudo sobre o trajo tradicional local publicado em 1970. Assumiu um papel activo na defesa do património local, integrando a secção para a criação de um museu, da Liga dos Amigos da Nazaré. Abílio de Mattos e Silva, a 4 de Dezembro de 1955, numa reunião efectuada no Casino da Nazaré, profere uma palestra que terá contribuído para o desenvolvimento desta ideia: “Ainda estamos a tempo de tudo salvar, de tudo remediar (…) Sinto que o primeiro passo – passo para salvar a nossa Nazaré – será a criação de um Museu – um Museu de costumes da Nazaré em que todos procuremos uma lição, onde as crianças devem aprender como numa aula obrigatória, para que amanhã possam ensinar – e sigam os ensinamentos adquiridos”. Nesta oportunidade, apresentou um esboço e um plano para a estruturação do futuro museu. Em 1986, dando cumprimento à vontade de seu marido, Maria José Salavisa doa ao Museu Dr. Joaquim Manso um importante conjunto de pinturas de temática nazarena. No ano do centenário do seu nascimento (2008), o Museu realizou uma nova homenagem ao autor, cujo legado muito enriquecera a ilustração do traje e das vivências nazarenas, pelo valor estético e documental da sua pintura. Obras publicadas: "Óbidos, vila antiga de Portugal" (desenho), "O Trajo da Nazaré", "30 Anos de Teatro" (catálogo). Quando faleceu, tinha em preparação um álbum sobre Óbidos.
Multimédia

Tipo

Descrição

Imagem

imagem

Imagem

Cedência de digitalização de foto por Museu de Óbidos.

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica